Compre ações do Google análise preliminar da decisão de investimento

Melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • BINOMO
    BINOMO

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FINMAX
    FINMAX

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Как купить акции Google физическому лицу

Любой фондовой площадке всегда требуется ориентир. Речь идет, как правило, о каком-либо эмитенте с достаточной капитализацией, на динамику курса акций которого вполглаза приглядывают все без исключения трейдеры, выстраивая свою торговую стратегию. Иногда такими «маяками» на рынке становятся сразу несколько тикеров (сокращенных наименований эмитентов). С начала нулевых годов таким ориентиром на NASDAQ, безусловно, стал «Google Incorporated». Попробуем оценить значимость данного эмитента, а также ответить на вопрос, перспективно ли купить акции «Гугл» с позиции инвестиций на средне- и долгосрочную перспективу.

Методика работы с акциями Гугл – фундаментальный анализ

Купить акции компании Google, может любое физическое лицо у брокера 24option.

Интернет представляет собой огромный массив информации. И то, насколько структурированы хранящиеся на десятках тысяч серверов данные, определяет востребованность интернета с позиции пользователей. По статистике более 28% обращений к ресурсам всемирной паутины начинаются с запросов в поисковиках (с пресловутого «ОК, Google!»; впрочем, «Гуглу» здесь уже давно пришлось подвинуться – он далеко не единственный поисковик, хоть и самый популярный).

Тем не менее, доля удерживаемых первичных запросов не определяет качество работы всей корпорации: поисковик – это высокотехнологичная разработка, и динамичность развития здесь является обязательным фактором. Так что правильнее будет отметить, что для удержания лидирующих позиций в отрасли компании нужно постоянно развиваться, чтобы ее сервис был востребованным. Эти факторы являются сугубо фундаментальными – разберем их подробнее.

Сфера деятельности

Чем занимается «Гугл»? Ответы пользователей, согласно статистическим данным многочисленных опросов, разделяются на следующие позиции:

  • предоставление поисковых услуг в интернете (82% ответов);
  • вывод на рынок и эксплуатация различных полезных платформ (платежных и др.) (14%);
  • инструмент влияния американских спецслужб (все остальные ответы).

Ни один из ответов, на самом деле, не является правильным. Выручка «Гугл Инкорпорейтед» формируется за счет рекламы. То есть, огромная корпорация, на акции которой равняются трейдеры NASDAQ, – это всего лишь гигантское рекламное агентство.

Да, нельзя сбрасывать со счетов платежные платформы и другие полезные сервисы, за пользование которыми люди готовы платить деньги, но за всю историю «Гугла» выручка от размещения рекламных роликов (в том числе, той контекстной рекламы, которая прерывает настоящий текст) никогда не опускалась ниже 85% от общего объема доходов компании.

(Более того, побочные сервисы «Гугла» являются лишь инструментом привлечения внимания многочисленных пользователей).

Почему для принятия инвестиционного решения важны именно фундаментальные факторы

Компания «Гугл Инкорпорейтед» была основана в 1998 году (где-то дефолт 4-кратный, а где-то величайшие мировые корпорации основываются…) Ларри Пейджем и Сергеем Брином. И во время подготовки к IPO было сразу же заявлено, что фундаментальной политикой компании является принципиальный отказ от выплаты дивидендов.

В 2020 году с акциями «Гугла» произошло 2 события:

  1. Сплит – замена большей части акций «Type «А» на акции «Type «С». Это особый тип обыкновенных акций, которые, тем не менее, не имеют права голоса на общем собрании акционеров.
  2. Однако бонусом по акциям «Type «С» является гарантия поддержания курса данных бумаг на организованном рынке на уровне, не ниже определенного. Как правило, берется курс на момент замены.

Это абсолютно законная (в соответствии с американским законодательством) процедура. И если курс акций «Гугла» падает больше, чем на 1% от «уровня замены», то их владельцам причитаются соответствующие компенсационные выплаты.

Таким образом, учредители, как бы, говорят всем инвесторам: если вы собрались купить акции «Гугл», то рассчитывайте в своих стратегиях только на прирост их курсовой стоимости и не ждите никаких «дивидендных подачек» – таковых не будет.

Еще есть акции «Type «В», но приобрести их в свободной продаже невозможно. Эти бумаги распределены между «отцами основателями», и один голос (акция «Type «В») соответствует 10 голосам (акциям «Type «А»). Пейдж и Брин позаботились, чтобы их компания от них никуда не делась.

Данные по бумагам и по структуре «Google Incorporated»

  • Год создания – 1998.
  • Место регистрации центрального офиса – США, Калифорния, Маунтин-Вью.
  • Акции котируются на NASDAQ (с 2004 года).
  • Тикеры: GOOG – для «Type «С»; GOOGL – для «Type «А».
  • Число акций («Type А+С») в обращении – 515 922 000.
  • Число акций («Type «В») – 52 млн.
  • Номинал – $85 (не путать с ценой замены «Type «А» на «Type «С»).

Компании, являющиеся дочерними для «Google Incorporated»:

    • «YouTube»
    • «DoubleClick»
    • «Aardvark»
    • «FeedBurner»
    • «AdMob»
    • «Google Voice»
    • «Zagat Survey»
    • «Google Foundation»
    • «On2 Technologies»

Впрочем, в 2020 году «Гугл» сам стал составной частью «Alphabet Inc.». Это было не враждебное поглощение: владельцы Alphabet – это те же физические лица, которые в свое время учредили «Гугл». Однако это принесло некоторые выгоды в плане диверсификации деятельности.

Промежуточный вывод

Проект изначально позиционировался не как один из многих уже существовавших на тот момент поисковиков в интернете, а как многофункциональная пользовательская платформа, где каждая сервисная опция поддерживает все остальные, увеличивая общее число обращений к ресурсам «Гугла».

Тот факт, что заработать на акциях «Google Incorporated» можно, лишь на курсовой стоимости, а также структурная «композиционность» компании, выводит на первый план именно фундаментальный анализ при прогнозировании стоимости ее бумаг. Кроме того, большое значение имеет факт обязательств компании по компенсации собственникам стоимости акций, если они упадут ниже «цены замены».

Ведь это говорит о том, что корпорация должна быть просто-таки сверхликвидной, фактически, представлять собой денежный мешок. А то в кризис же всякое может случиться.

И такая стратегия была абсолютно верной и успешной: до 2007 года бумаги компании исключительно росли, оторвавшись от «уровня замены» многократно. Только в кризис 2008 года (во время проблем с «Fannie Mae» и «Freddie Mac») была существенная коррекция. Однако американская администрация в то время не пожалела ликвидности и досталось, в том числе, и «Google Incorporated».

Поддержка была оказана именно постольку, поскольку на оборот по акциям «Гугла» приходилась заметная часть оборота всего «NASDAQ».

После этого на рынке снова установился исключительно восходящий тренд на рассматриваемые бумаги. Оно и понятно: мало того, что корпорация сама готова поддерживать свои акции, так ее еще и государство деньгами в кризис снабдит, если что. Так какое же значение вообще в этом случае имеет технический анализ? Ведь все определяют:

  • эффективность деятельности менеджеров корпорации;
  • договоренности с государственными финансовыми органами.

Как и где купить акции «Google Incorporated» физическому лицу

Купить акции «Гугл» можно непосредственно на NASDAQ. Однако доступ к торгам может быть осуществлен исключительно через брокера, аккредитованного на данной американской организованной финансовой площадке.

Брокерская компания 24option является полноправным участником торговли акциями. Купить акции Google физическому лицу можно как раз в этой компании. Зарегистрироваться и открыть счет может любой совершеннолетний человек.

Сколько стоят акции «Google Incorporated»

В настоящий момент (на 27.03.2020 г.) GOOG «Type «С» стоит $1110,09. И надо сказать, что на этой цене уже обозначился уровень поддержки. Однако в свете того, что на капитализацию корпорации влияют, преимущественно фундаментальные факторы, связанные с ее собственной деятельностью, это и неудивительно.

Melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • BINOMO
    BINOMO

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FINMAX
    FINMAX

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Сколько можно заработать на акциях Google

Гораздо интереснее прикинуть, сколько можно заработать на данных акциях в средне- и долгосрочной перспективе. Проанализируем ситуацию, хотя бы, за полгода:

1. спот-сегмент:

покупка – $1160 на 03.09.2020г., продажа – $1522 на 19.02.2020г.

Прибыль на каждую акцию – $362. Доходность – (362 / 1160) * (170 / 365) = 66% годовых

2. фьючерсный сегмент:

Умножаем доходность на спот-сегменте еще на финансовый рычаг, который равен 1:6. Получается запредельное значение почти что в 400% годовых.

При такой ликвидности и надежности корпорации данный процент является чем-то фантастическим. (Конечно, нужно взять поправку на то, что на минимумах и максимумах сделки совершаются только сверхудачливыми профанами). Кроме того, следует обратить внимание на тренд (с сентября 2020г. по конец февраля 2020г.) – он ровный гладкий, с минимальной волатильностью. Красота!

Это крайне важно именно любителям игры с фьючерсами (на повышенных ставках), так как при этом не нужно замораживать запредельные средства на маржинальном счету. Достаточно будет задепонировать 50% от стоимости купленных опционов, а это значит, что доходность по деривативам падает до «скромных» 250% годовых по сверхнадежным ценным бумагам, эмитент которых фактически располагает государственной поддержкой.

Факторы влияющие на стоимость акций «Google Incorporated»

Перечислим факторы, влияющие на стоимость акций «Гугл» короткой строкой:

  • Общая мировая конъюнктура.

Глупо отрицать, что бумаги провалились вслед за рынком во время последнего «коронавирусного кризиса». Однако там, где остальные падали в пропасть, «Гугл» отделался «легким испугом»: его бумаги упали всего на 27%.

  • Креативность менеджеров компании.

От того, насколько они будут изобретательны и удачливы в своих прогнозах, зависит успех развития всей компании в целом.

«Гугл» не добывает нефть – он предоставляет весьма эластичные по цене услуги. Но он делает это настолько качественно и компетентно, что капитализация «Газпрома» ему и в подметки не годится!

Вывод

Уж если инвестировать на организованном финансовом рынке, то только в американские бумаги на NASDAQ: это и надежно и потенциально крайне выгодно. Здесь нужно постараться найти такого эмитента, который бы не имел потенциала роста после окончания воздействия на рынок общемировой ниспадающей конъюнктуры. Так что физическим лицам настоятельно рекомендуется купить акции «Google», предварительно открыв счет в брокерской компании «24option».

(Бумаги отечественных эмитентов поднимутся или нет – неизвестно, но вот «Гугл» выстрелит определенно).

A tomada de decisão baseada no planejamento estratégico e resultados de longo prazo

Sendo um CEO, a tomada de decisão faz parte da sua rotina. É normal ter que atender gestores e diretores, repassar informações e usar dados para decidir o melhor caminho a seguir.

É assim que a sua empresa conseguirá continuar crescendo de forma sustentável. Para isso, é importante tomar decisões com base no planejamento estratégico. O objetivo dessa metodologia é permitir que a empresa esteja adaptada às mudanças do mercado e consiga enfrentar os desafios impostos.

A partir disso é possível fazer escolhas mais embasadas e seguras. Ou seja, as decisões só serão tomadas de maneira adequada quando estiverem alinhadas ao planejamento estratégico. É assim que a empresa conseguirá alcançar resultados de longo prazo.

Para entender melhor esse assunto, o post de hoje vai mostrar a relação entre o processo de tomar decisões com base no planejamento estratégico e quais são os resultados atingidos no longo prazo.

1. Entendendo a tomada de decisões

O processo de tomar decisões é importante para que a empresa tenha um melhor funcionamento. Escolher a melhor alternativa é um ponto-chave para o sucesso. A dúvida é: o que considerar nesse momento?

Você pode tomar decisões de acordo com sua intuição ou baseando-se em fatos. O mais recomendado é misturar esses dois elementos. Em relação a esse quesito existem 3 métodos que podem ser utilizados para selecionar a melhor alternativa:

  • análise intuitiva: as decisões são tomadas com base em um pressentimento ou intuição e o gestor não analisa todos os dados necessários. É uma prática perigosa e que pode causar grandes prejuízos à empresa;
  • análise sistemática: as informações e dados são usados como base para as escolhas. Para conseguir fazer isso, é preciso ter acesso à quantidade máxima de informações possível. Assim é possível fazer uma análise lógica e ordenada para definir qual é o melhor caminho. Caso a análise esteja parecendo equivocada, recomenda-se continuar a procura pela alternativa mais viável a fim de que todos os resultados façam sentido;
  • decisão baseada em princípios: esse método não é amplamente utilizado, porque toma como base os princípios e as crenças pessoais. O problema dessa metodologia é que ela pode fazer com que os resultados sejam antiéticos. Nesse caso, deve-se selecionar e comunicar os princípios e aplicá-los para a situação atual. As escolhas também podem variar de acordo com as mudanças do mercado e os estilos de liderança.

Outro elemento importante é verificar se você vai assumir o controle desse processo ou se vai permitir que outras pessoas influenciem. É preciso considerar que você, como CEO, tem um trabalho mais focado para a estratégia, enquanto os demais níveis hierárquicos da organização precisam fazer outros tipos de escolhas, que são mais rotineiros, mas podem interferir nos resultados da empresa.

Isso ocorre porque a decisão do melhor caminho a seguir envolve incertezas e riscos. Ter uma boa estratégia é imprescindível nesse momento, já que é dessa forma que todos estão alinhados e fazem com que a empresa sofra menos ameaças.

1.1. Tipos de tomada de decisão

Existem diferentes tipos de decisões que podem ser tomadas em um negócio. Elas podem ser: programadas, não programadas, estratégicas, táticas e operacionais. Cada um desses formatos possui características específicas e que você deve conhecer para agir com mais segurança.

As decisões programadas são aquelas que acontecem todos os dias, ou seja, são rotineiras. Para serem tomadas, é preciso ter um método específico que pode ser adotado por qualquer colaborador da organização.

As decisões não programadas diferem das escolhas feitas anteriormente e não seguem um padrão. São situações que surgem como um imprevisto, por exemplo.

As decisões estratégicas são aquelas que impactam os objetivos e a estratégia do negócio em longo prazo. Elas são o foco principal deste post, porque estão relacionadas à direção da companhia. Alguns exemplos são as decisões relativas a novos produtos, alianças estratégicas e fusões.

É importante destacar que esse tipo de decisão é geralmente tomado pelo CEO, pelo presidente ou pelo Conselho de Administração, porque esses profissionais estão engajados com a criação de um fluxo contínuo de mudanças e vantagens competitivas.

Para que as decisões sejam mais acertadas, o CEO deve delimitar quais são os desafios competitivos atuais, buscar oportunidades de negócio e projetar melhorias para as práticas empresariais. É assim que as incertezas serão reduzidas e os resultados melhorados.

As decisões táticas têm como enfoque as metas de médio prazo, que são encaminhadas para os objetivos estratégicos de longo prazo.

Por fim, as decisões operacionais, também chamadas de administrativas, têm curto prazo. Elas vão se acumulando e se direcionam para os objetivos de longo prazo.

Como você pode perceber, todos os tipos de decisão estão interligados e acabam influenciando de forma direta ou indireta as decisões estratégicas.

2. A influência do planejamento estratégico

O planejamento estratégico está relacionado à missão, metas, valores e objetivos organizacionais. A decisão por tomar uma ação específica exige que os resultados sejam observados para, então, definir quais mudanças na estratégia devem ser adotadas.

Pode ser que você tenha a habilidade de tomar decisões rapidamente e sem analisar muitos dados. Mesmo assim, é importante enfrentar riscos calculados. Para isso, você deve definir um limite que permita qualificar suas decisões.

Por exemplo: você deseja aumentar as vendas e optar por baixar os preços em alguns horários da semana para atrair mais consumidores. Depois de algumas semanas, é preciso analisar os dados e verificar se a estratégia trouxe resultados positivos. Se sim, pode-se continuar mantendo os preços baixos. Se a resposta for não, é preciso mudar.

Podemos dizer, então, que o planejamento estratégico é uma condição fundamental para o aumento da competitividade. O processo de decisão, porém, precisa ter como base as estratégias da organização.

O planejamento estratégico também é uma ferramenta que ajuda a melhorar o processo decisório e fornece alternativas para o processo dinâmico sistêmico. Ele permite organizar e direcionar a gestão, que passa a ser aplicada a partir de análises interna e externa do ambiente.

Assim, consegue-se evitar que as decisões sejam tomadas de forma equivocada, o que pode causar prejuízos grandes em um mercado cada vez mais competitivo.

Essa é, portanto, a influência do planejamento estratégico em relação às decisões a serem tomadas. E como realizar uma boa estratégia? O primeiro passo é ter conhecimento dos dados para poder delineá-la.

O horizonte de tempo deve ser longo e a empresa precisa ter certeza de seu posicionamento frente às mais diversas situações, especialmente as de incertezas ou riscos.

Como características fundamentais do planejamento estratégico, podemos citar:

  • relaciona-se ao processo de adequação da empresa a um ambiente mutável;
  • é orientador para o futuro;
  • é compreensivo, ou seja, abrange todos os recursos da empresa e pretende obter efeitos sinérgicos das potencialidades atuais e futuras da organização;
  • é um processo de construção de consenso, o que significa que os objetivos de todos os stakeholders devem ser considerados;
  • é uma forma de aprendizagem organizacional, já que a empresa adapta-se a um ambiente complexo, competitivo e suscetível a mudanças.

2.1. Como aplicar o planejamento estratégico

Esse conceito deve ser aplicado a partir da observação da estrutura da empresa. Geralmente ela é composta por 3 níveis: alta administração, produto e unidade de negócios.

O objetivo da alta administração é elaborar e desenvolver o planejamento estratégico. A finalidade é assegurar que o futuro da empresa seja promissor e rentável. Esse nível também tem a responsabilidade de alocar recursos para a unidade de negócios.

A unidade de negócios, por sua vez, tem o objetivo de elaborar um plano estratégico que permita ao segmento se tornar lucrativo. Isso é conseguido, é claro, pelos recursos que foram alocados pela alta administração.

Já o produto tem sua função definida pelo unidade de Negócios, que também delimita seus objetivos, com forte envolvimento do Marketing.

Novamente é possível perceber que os 3 níveis estão intrinsecamente ligados. A conclusão a que podemos chegar é a frase de Peter Drucker, pai da administração moderna: “O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes”.

Além disso, o planejamento estratégico tem o objetivo de responder a 4 perguntas básicas.

  • Quem somos?
  • Onde queremos chegar?
  • Os fatores externos estão sendo avaliados?
  • Como os objetivos organizacionais serão atingidos?

Com as respostas a essas questões, é possível simular cenários e situações que vão descrever potenciais acontecimentos futuros e ajudar o gestor a se prevenir deles. Nesse processo são considerados fatores diversos, como os econômicos, históricos, geográficos, entre outros.

Assim fica evidente a relação e a influência do planejamento estratégico no processo decisório. Mas de que forma isso impacta os resultados? É o que vamos ver a seguir.

3. As decisões e os resultados

O processo decisório estratégico fornece uma visão realista da companhia e cria a motivação necessária para que o planejamento estratégico seja aplicado. É preciso, portanto, que a estratégia seja forte o suficiente para permitir que as atividades realizadas sejam diferentes da concorrência ou, se forem similares, apresentem mais eficiência.

Essa atitude permitirá que os resultados sejam os melhores possíveis. Caso contrário, as falhas podem impactar negativamente as decisões econômicas e o planejamento estratégico da organização.

Essa situação também demonstra porque é necessário monitorar os resultados constantemente. Mais do que isso: é preciso verificar as atitudes tomadas pelos concorrentes e quais delas apresentam êxito.

Afinal de contas, o ato de tomar decisões delimita de que forma o gestor pode alcançar o resultado desejado. Esse processo também leva em conta os pontos positivos e negativos do negócio, ajuda a transmitir confiança e motivação para os colaboradores e possibilita criar planos estratégicos que estejam condizentes com a performance da empresa.

Os passos que devem ser seguidos para que sejam tomadas decisões acertadas são os seguintes:

  • percepção da situação que apresenta um problema: a principal característica desse momento é o fator situacional do ambiente. Nesse momento, o gestor deve saber o que está acontecendo em determinado setor da empresa e reconhecer que há um problema a ser solucionado;
  • análise e definição do problema: a identificação do problema leva à avaliação e decisão sobre o que deve ser feito para solucionar a dificuldade;
  • definição de objetivos: o problema já está identificado e analisado e, com isso, o gestor delimita objetivos e metas que devem ser seguidos pelos colaboradores;
  • busca de alternativas de solução ou cursos de ação: o objetivo é adotar essas alternativas para diagnosticar os problemas. É preciso selecionar a opção mais viável para a empresa, de acordo com os fatores positivos e negativos que a possibilidade pode causar;
  • avaliação e comparação das alternativas: o gestor analisa e identificar os problemas e, a partir disso, consegue gerar informações e igualá-las às opções para delimitar a melhor decisão;
  • implementação da alternativa escolhida: essa é a última etapa e prevê que o gestor implemente a solução para obter o melhor resultado possível para o negócio.

Depois de seguir essas etapas é possível pensar nas decisões para obter resultados de longo prazo.

4. A tomada de decisão para resultados a longo prazo

O planejamento e as decisões estratégicas têm impactos em longo prazo para o futuro da empresa. Esse é, porém, um desafio diário que precisa ser ultrapassado com base em informações, dados e técnicas de administração.

A possibilidade de fracasso é muito menor quando você adota essa postura e ainda tem chances mais concretas de alcançar resultados a longo prazo. O que fazer? O primeiro passo é ter informações confiáveis que possam embasar a decisão.

Os dados e informações são recursos valiosos nesse contexto. A diferença entre eles é que os dados são coletados. O processo de análise e processamento resulta em informações, que vão de fato fornecer subsídios para o processo decisório.

Os dados podem ser reunidos por meio de projeções, relatórios e estudos. No entanto, devem ser seguidas 3 etapas primordiais:

4.1. Análise dos dados coletados

O método e o período de coleta de dados vão depender de cada situação. Por exemplo: a abertura de uma nova unidade requer a realização de um estudo de viabilidade econômica. Nesse caso, o plano de negócios deve contar com dados sobre a concorrência, público-alvo, mercado e perfil demográfico.

Por outro lado, se você pretende elevar a destinação de recursos para as ações de marketing, deve elaborar análises e relatórios que ajudem a verificar o retorno que essa ação deve trazer.

A decisão pela melhor metodologia depende do gestor, que deve pensar de maneira holística e racional. A análise dos dados coletados é o primeiro passo desse processo. Vale a pena lembrar de que eles devem ser consistentes e atualizados.

Quanto mais dados você tiver, mais tempo levará para reuni-los e interpretá-los. É importante filtrá-los para ter acesso somente aos dados relevantes e de qualidade. Posteriormente, o tempo gasto para a coleta e filtragem será compensado com a agilidade da análise.

Para ter mais eficiência, você pode apostar nos sistemas integrados de gestão, que reúnem os dados e têm grande capacidade de processamento das informações.

4.2. Atualização das ferramentas

O grande volume de dados e informações requer a utilização de ferramentas sofisticadas ou modelos de projeção que estejam adaptados às necessidades atuais. Adotar a postura de apostar na atitude que sempre funcionou e permanecer na zona de conforto pode ser bastante prejudicial.

O ideal é sempre considerar as mudanças do mercado e o crescimento da própria companhia. Isso também é válido para a escolha das ferramentas utilizadas. De modo geral, as mais básicas possuem limitações e não funcionam bem com cenários desconhecidos.

Atualizar as ferramentas é uma forma de se adaptar às novas demandas e evitar as falhas. Por outro lado, se você insistir em não evoluir com o seu ferramental de gestão, pode cometer erros de avaliação e traçar estratégias equivocadas para o negócio.

Algumas ferramentas que podem ser adotadas são:

4.2.1. Ciclo PDCA

Essa é uma ferramenta voltada para a gestão da qualidade total. Seu objetivo é controlar processos e enfatizar os atos de tomar decisões por meio da melhoria e manutenção dos procedimentos.

A finalidade dessa metodologia é auxiliar o gestor a gerir o negócio pelo monitoramento e avaliação de problemas. Assim, é possível melhorar continuamente e diminuir a quantidade de erros.

PDCA é a sigla de:

  • plan (planejamento): a missão, a visão, os objetivos e as metas são estabelecidos. Esse é o início do ciclo que possibilita levantar dados e informações, definir métodos e priorizar onde se deseja chegar;
  • do (execução): as atividades determinadas pela empresa devem ser realizadas e executadas a fim de chegar ao objetivo;
  • check (verificação): os resultados obtidos devem ser analisados por um período de tempo específico e seus processos e ações devem ser avaliados. Com isso, é possível consolidar as informações recebidas e executadas;
  • act (ação): o gestor deve atuar de acordo com os resultados e os relatórios elaborados. A partir disso, é possível delimitar novos planos de ação, que contribuem para aumentar a eficiência, a eficácia e a qualidade.

4.2.2. Pesquisa de mercado

Esse processo tem a finalidade de reunir informações sobre um mercado específico. Entre os dados que podem ser coletados estão as preferências dos consumidores em potencial, a presença dos concorrentes e o estado atual do ambiente no qual o negócio está inserido.

A pesquisa de mercado é, portanto, uma ferramenta de planejamento estratégico crucial, que permite ter insights sobre as demandas dos clientes. Isso possibilita que os gestores criem missão, metas e estratégias que possam atender a essas necessidades.

4.2.3. Análise de custo-benefício

Essa ferramenta de tomar decisões consiste na análise de custos e benefícios que estão atrelados a diferentes cursos de ação. É preciso escolher aquele que resulte na melhor vantagem.

4.2.4. Análise SWOT

A ideia dessa ferramenta é avaliar os pontos fortes e fracos do negócio, além das ameaças e oportunidades. Essa avaliação ajuda os gestores a tirar vantagens das forças e implantar estratégias que ajudem a reduzir as fraquezas.

O ato de avaliar ameaças e oportunidades externas também ajuda o processo decisório e permite que os gestores avaliem novos cenários. Por exemplo: a existência de novos competidores ou o impacto de novas regulações governamentais.

4.2.5. Software ERP

Esse sistema é uma ferramenta importante porque ajuda a reunir os dados da organização e facilita a análise deles. É possível obter informações sobre vendas, estoque, finanças, produção, etc. Tudo está disponível em um local específico e é atualizado automaticamente para todos os setores.

Assim fica mais fácil tomar decisões e utilizar os dados para subsidiar esse processo.

4.3. Elaboração de relatórios

Os relatórios são um bom recurso para verificar e analisar os dados. Eles também antecipam tendências e ajudam a identificar potenciais perdas devido a rotinas mal executadas ou procedimentos com problemas.

Para ter uma ideia da importância dos relatórios, veja o exemplo do processo decisório relativo ao aspecto financeiro. Para tomar decisões nesse contexto, é preciso acompanhar o fluxo contábil da organização e considerar questões como a retração ou a expansão do mercado, o saldo, as despesas e as receitas.

5. A importância da decisão estratégica para o negócio

Agora que já passamos por todos os pontos anteriores desse post, fica evidente que a decisão estratégica é importante para o negócio. O acesso a dados e informações é primordial para a empresa se destacar da concorrência e essa é uma capacidade cada vez mais fundamental.

Isso é tão visível nos dias de hoje que um estudo realizado na Universidade do Texas indicou que as vendas podem ser aumentadas em média 14,4% a partir da elevação em 10% da usabilidade dos dados corporativos.

Para isso, é preciso ter ferramentas e capacidade analítica para que a organização possa filtrar, organizar, processar e interpretar os dados. Os softwares de gestão, como os ERPs, auxiliam esse processo por reunirem os dados de diferentes departamentos e os deixarem acessíveis em um só local.

O ERP integra uma série de dados de diferentes departamentos, o que facilita o processo decisório, que pode ser bastante complexo de acordo com seu grau de importância, dos reflexos que poderá ter e do objetivo que se pretende atingir.

No mundo corporativo, as decisões a serem tomadas também são uma questão de sobrevivência, independentemente de os quesitos analisados serem da área operacional, tática ou estratégica.

Devemos lembrar, ainda, de que as empresas estão inseridas na sociedade do conhecimento. Essa nova realidade impacta as organizações (que são entendidas como organismos sociais inteligentes) e os tomadores de decisão (ou seja, os gestores, que precisam lidar com ambientes instáveis).

As companhias, portanto, são ambientes nos quais as decisões são inerentes. Do gestor é exigido que tenha a responsabilidade de assumir riscos e possa participar da dinâmica organizacional.

Mesmo assim, é importante contar com outros colaboradores e líderes, já que as decisões tomadas em grupo facilitam a definição de alternativas e melhoram o planejamento das ações que devem ser adotadas.

Tomar decisões é um processo complexo e que envolve diferentes variáveis. Como CEO, você deve ter disposição para coletar e analisar os dados e transformá-los em informações.

Somente assim você conseguirá seguir o caminho traçado no planejamento estratégico e estar alinhado ao que foi delimitado anteriormente para a organização.

Agindo dessa forma e conforme indicamos nesse post, você alcançará resultados de longo prazo e conseguirá tomar decisões realmente baseadas no planejamento estratégico.

Entendeu por que a tomada de decisão é tão importante para o planejamento estratégico e os resultados de longo prazo do seu negócio? Se você quer ter acesso a mais conteúdos aprofundados como esse, aproveite e assine a nossa newsletter!

A Procenge

Somos uma empresa de TI com 47 anos de mercado, sediada no Porto Digital. Know-how no desenvolvimento de soluções de gestão empresarial personalizadas com foco em inovação. Nosso propósito é colaborar com nossos clientes para transformar seus negócios e gerar resultados sustentáveis.

Compre ações do Google: análise preliminar da decisão de investimento

EMISSÃO DE AÇÕES

Capital Social R$ 18.000.000,00

Valores emitido em ações R$7.200.000,00

Valor por ações R$0,72

Quantidade mínima para compra 100

Quantidade máxima para compra 1000

PROCESSO PARA EMISSÃO DE AÇÕES

ABERTURA DE CAPITAL DE EMPRESAS

Este documento tem por finalidade orientar as empresas que pretendam abrir o seu capital, discutindo os conceitos mais importantes, as vantagens e desvantagens, indicando ainda os passos e a documentação necessários, e apresentando em anexo uma listagem básica dos atos normativos pertinentes.

O texto que se segue é de caráter eminentemente informativo, não devendo ser interpretado de forma alguma como substituto da legislação em vigor. Assim, a empresa que desejar empreender sua abertura de capital deverá fazê-lo estando plenamente familiarizada com a legislação vigente, ou assistida por representante legal qualificado.

A Comissão de Valores Mobiliários é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda, instituída pela Lei nº 6.385, de 07/12/196, cujas atribuições são a normatização, regulamentação, desenvolvimento, o controle e a fiscalização do Mercado de Valores Mobiliários do País.

Companhia Aberta é aquela que, através de registro apropriado junto à CVM, está autorizada a ter seus valores mobiliários negociados junto ao público, tanto em bolsas de valores, quanto no mercado de balcão, organizado ou não.

Para que uma empresa possa se candidatar ao processo de abertura de capital deve estar constituída na forma jurídica de uma sociedade anônima, de acordo com o que preceitua a Lei nº 6.404, de 15/12/1976.

DE ACORDO COM A LEI Nº 6.385, SÃO VALORES MOBILIÁRIOS:

  • as ações, partes beneficiárias e debêntures, os cupões desses títulos e os bônus de subscrição;
  • os certificados de depósito de valores mobiliários; e
  • outros títulos criados ou emitidos pelas sociedades anônimas, a critério do Conselho Monetário Nacional.

SÃO TAMBÉM VALORES MOBILIÁRIOS:

  • opções e contratos futuros referenciados em valores mobiliários;
  • quotas de fundos de investimento imobiliário; e
  • os certificados de investimento em empreendimentos audiovisuais.

A abertura plena do capital se dá através do lançamento de ações junto ao público, dado o volume de negócios resultante e as transformações por que passa a companhia.

Poder-se-ia dizer que a abertura de capital através dos outros valores mobiliários aqui considerados, sobretudo as debêntures conversíveis e os bônus de subscrição, seria um estágio preliminar à plena abertura.

As razões que levam uma empresa a considerar a abertura de seu capital são determinantes na escolha do tipo de valor mobiliário a ser emitido, do tipo de lançamento a ser feito e do tipo de investidor mais apropriado aos seus objetivos.

O status de companhia aberta não se restringe apenas às grandes companhias. Esta Comissão de Valores Mobiliários vem, inclusive, envidando esforços no sentido de regulamentar, criar e incentivar uma estrutura específica para negociação de títulos emitidos por empresas de pequeno e médio porte, o chamado Mercado de Balcão Organizado, como também, o Fundo Mútuo de Investimento em Empresas Emergentes.

QUAIS OS DIREITOS DAS COMPANHIAS ABERTAS ?

1) Ter os valores mobiliários de sua emissão negociados publicamente em bolsas de valores ou mercado de balcão, organizado ou não.

2) Captar recursos através do lançamento público de valores mobiliários.

3) Obter, junto à CVM, o registro de seus programas de lançamento de recibos de depósito (DR´s) negociáveis no exterior, para captação de recursos em mercados estrangeiros.

QUAIS AS VANTAGENS PARA A EMPRESA ?

1. AMPLIAÇÃO DA BASE DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS E DE SEU POTENCIAL DE CRESCIMENTO.

Acesso ao mercado de capitais do País, para captação de recursos destinados ao financiamento de projetos, expansão, mudança de escala ou diversificação de seus negócios, ou mesmo à reestruturação de seus passivos financeiros.

A captação de recursos através do lançamento de valores mobiliários é uma alternativa aos financiamentos bancários, viabilizando o acesso a investidores potenciais, não só no Brasil, como no exterior, tendo em vista a possibilidade de captação de recursos externos, através de processos de lançamento de recibos de depósito negociáveis nos mercados de capitais de outros países, com aprovação da CVM e do Banco Central.

2. MAIOR FLEXIBILIDADE ESTRATÉGICA – LIQUIDEZ PATRIMONIAL

Margem para administração de sua estrutura de capital, balanceando as relações entre capital acionário e de terceiros, e, conseqüentemente, seu risco empresarial.

Os acionistas controladores aumentam a liquidez do seu patrimônio, através da oportunidade de negociação de sua participação na empresa, que tende a se valorizar ao longo do tempo pela diversificação de compradores, sobretudo investidores institucionais, nacionais ou estrangeiros.

3. IMAGEM INSTITUCIONAL – MAIOR EXPOSIÇÃO AO MERCADO

A transparência e confiabilidade exigidas nas suas informações básicas facilitam os negócios, atraindo o consumidor final, gerando maior presença e prestígio no mercado.

4. RESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA

Soluções para problemas relativos à estratégia empresarial, partilhas de heranças e processos sucessórios podem ser equacionados através de uma abertura de capital, orientado por especialistas em questões societárias que estão aptos a apresentar inúmeras alternativas, de acordo com os parâmetros desejados de independência gerencial e eficiência fiscal.

Por outro lado, o status de companhia aberta tende a facilitar as associações internacionais.

5. GESTÃO PROFISSIONAL

A abertura de capital leva à aceleração da profissionalização da companhia.

Inicialmente, esse processo é conseqüência das disposições legais, dada a eleição de conselheiros representantes dos novos acionistas e a exigência da figura do Diretor de Relações com Investidores (DRI).

Uma administração profissionalizada é um dos pontos que mais interessa ao investidor, dada a necessidade de treinamento profissional dos ocupantes de cargos de direção.

6. RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS

A abertura do capital de uma empresa pode ser feita também para seus funcionários, procedimento esse muito utilizado no mercado internacional e que começou a surgir no mercado brasileiro, sobretudo no Programa Nacional de Desestatização.

QUAIS AS DESVANTAGENS ?

Os custos associados ao processo de abertura de capital, à remuneração do capital dos novos acionistas (política de dividendos) e à administração de um sistema de informações específico para o controle da propriedade da empresa, tendem a se diluir em função das vantagens agregadas.

Dentre esses custos, destacam-se:

  • manutenção de um Departamento de Acionistas;
  • manutenção de um Departamento de Relações com Investidores, que poderá incorporar o Departamento de Acionistas. Este setor incumbir-se-á de centralizar todas as informações internas a serem fornecidas ao mercado, integrando e sistematizando esse conjunto de informações;
  • contratação de empresa especializada em emissão de ações escriturais, custódia de debêntures, serviços de planejamento e de corretagem, e underwriting;
  • taxas da CVM e das Bolsas de Valores;
  • contratação de serviços de auditores independentes mais abrangentes que aqueles exigidos para as demais companhias; e
  • divulgação de informação sistemática ao mercado sobre as atividades da empresa.

2. QUALIDADE DA INFORMAÇÃO

A necessidade de atendimento as normas mais específicas e rigorosas, no que tange aos procedimentos e princípios contábeis, de auditoria, e divulgação de demonstrações financeiras, quando contrapostos aos benefícios oriundos do status de companhia aberta, tende também a se diluir.

CUSTOS INERENTES À ABERTURA DE CAPITAL DE UMA COMPANHIA:

São de natureza diversa, podendo ser agrupados da seguinte forma:

1) Legais e institucionais: pagamento de taxas, anuidades, serviços e afins, em atendimento às exigências legais;

2) Publicação, publicidade, “marketing”: gastos com o prospecto e com a divulgação da operação no mercado;

3) de Intermediação Financeira: remuneração dos trabalhos de coordenação, eventual garantia e distribuição;

4) Internos: alocação de pessoal para acompanhamento do processo, montagem de estrutura interna para dar suporte à abertura.

ANÁLISE PRELIMINAR SOBRE A CONVENIÊNCIA DE ABRIR O CAPITAL

A decisão de abrir o capital deve se subordinar a uma análise de sua viabilidade, demonstrando, para um dado nível de atividade da empresa, ser mais conveniente incidir nos custos relativos à abertura do capital do que buscar estes recursos através de endividamento, ou poder combinar as duas possibilidades, tanto de captar capital próprio no mercado como também recorrer ao endividamento.

COMO ABRIR O CAPITAL ?

A abertura do capital de uma empresa transcende à simples obtenção de recursos.

Uma empresa aberta amplia de forma dramática seu círculo econômico e social de relacionamento, o qual, nas empresas fechadas, geralmente se restringe a empregados, fornecedores, bancos e clientes. A abrangência desse relacionamento implica uma exposição pública de suas decisões de negócios e de planejamento muito maior.

O processo de abertura de capital de uma empresa requer o pedido de registro da empresa como companhia aberta, para que seus títulos possam ser negociados em bolsa ou mercado de balcão. Concomitantemente com o pedido de abertura de capital é possível ser solicitado o registro e a autorização para a distribuição de novos valores mobiliários através de subscrição pública (underwriting), sendo o processo de análise, o registro e o deferimento efetuados segundo os ditames das Instruções CVM N os 13/80 e 202/93.

Este processo exige o cumprimento de uma série de etapas, semelhantes para os diversos valores mobiliários, a saber:

  • Análise preliminar;
  • Contratação de Auditoria Externa Independente;
  • Contratação de Intermediário Financeiro;
    • Adaptação dos Estatutos;
    • Contrato de Coordenação e Distribuição;
    • AGE deliberativa da operação = Autorização da Assembléia Geral;
    • Nomeação de um Diretor de Relações com Investidores;
    • Criação de uma área de atendimento aos acionistas/debenturistas;
    • Processos de obtenção dos registros na CVM (registro da emissão e registro de companhia);
    • Processo de registro da empresa em Bolsa de Valores ou no Mercado de Balcão Organizado;
    • Anúncio de início de distribuição pública; e
    • Anúncio de encerramento de distribuição pública.

Como se registrar na CVM?

Para se tornar companhia aberta a empresa deve estar constituída na forma jurídica de uma sociedade anônima, nos termos da Lei nº 6.404/76.

A distribuição pública de valores mobiliários, nos termos da Lei nº 6.385/76, pressupõe prévio registro na CVM, a ser solicitado pela companhia emissora.

No caso de empresas abrindo capital, além do Registro de Emissão Pública, é exigido o Registro de Companhia Aberta para negociação em Bolsa ou no Mercado de Balcão Organizado.

No processo de aumento do capital social, as etapas fundamentais estão discriminadas nas Instruções CVM n os 13/80 e 202/93, que dispõem respectivamente sobre o registro de distribuição pública de ações e sobre o registro de companhia para negociação de seus valores mobiliários em Bolsa de Valores ou no Mercado de Balcão.

As informações solicitadas para fins de registro da emissão compõem o Prospecto, documento básico de divulgação sobre a emissão e a companhia (artigos 18 a 22 da Instrução CVM nº 13/80).

É permitida, durante o processo de registro, a circulação de um Prospecto Preliminar entre os intermediários financeiros.

Ao final do processo, o Prospecto definitivo deve estar à disposição dos investidores potenciais.

Para dar início ao processo, é cobrada uma taxa de registro de emissão na CVM, instituída pela Lei nº 7.940/89 – Tabela “D”, em função do valor e do tipo da operação pretendida, e limitada a 100.000 UFIR por registro:

TIPO DE OPERAÇÃO ALÍQUOTA (%)

Emissão Pública de Ações 0,30

Emissão Pública de Debêntures 0,30

Emissão Pública de Bônus de Subscrição 0,16

Distribuição Secundária 0,64

Oferta Pública de Compra, Venda e Permuta 0,64

Emissão Pública de Nota Promissória 0,10

A CVM dispõe de um prazo de 30 (trinta) dias para analisar o pedido de registro, podendo solicitar informações adicionais; quando então esse prazo é interrompido, recomeçando a contar a partir da data do cumprimento das exigências feitas.

O deferimento do registro se dá através de ofício ao Intermediário Financeiro, conferindo um número ao registro de emissão.

1) Registro de Companhia:

De acordo com o art. 7º da Instrução CVM nº 202/93 e a Instrução CVM n245/97, o processo de pedido de registro de companhia deve ser instruído com os seguintes documentos:

1.1) Ata da reunião do Conselho de Administração ou da Assembléia Geral que houver designado o Diretor de Relações com Investidores e autorizado a abertura do capital da Empresa;

1.2) Requerimento, assinado pelo Diretor de Relações com Investidores, contendo informações sobre:

  • principais características da distribuição de valores mobiliários, ou dispersão acionária da companhia, indicando a forma pela qual suas ações foram distribuídas no mercado, anexando lista nominal dos atuais acionistas e respectivas quantidades de ações possuídas;
  • descrição geral da companhia, suas atividades, tecnologia, mercados, produtos principais;

1.3) Art 5º – O Inciso III do Art 7º da Instrução CVM n 202, de 06 de dezembro de 1993, passa a vigorar com a seguinte redação:

” III – quando se tratar de pedido de registro para negociação em Bolsa de Valores ou Mercado de Balcão Organizado, declaração da entidade informando do deferimento do pedido de admissão à negociação do valor mobiliário da companhia, condicionado apenas à obtenção do registro na CVM; “

1.4) Exemplar do Estatuto Social da Companhia;

1.5) Demonstrações Financeiras e Notas Explicativas previstas no art. 176 da Lei nº 6.404/76, referentes aos três últimos exercícios sociais, indicando os jornais e as datas em que foram publicadas (caso a empresa tenha menos de três anos de operação como sociedade anônima ou companhia, este fato deve ser relatado na documentação correspondente). No caso de empresas que objetivam a negociação de seus ativos em Mercado de Balcão Organizado, devem estas apresentar as demonstrações dos dois últimos exercícios.

1.6) Relatório da Administração referente ao último exercício social, elaborado de acordo com o art. nº. 133 da Lei nº 6.404/76 e com o Parecer de Orientação CVM nº 15, de 28.12.87;

1.7) Parecer de Auditor Independente relativo às demonstrações financeiras do último exercício social;

1.8) Atas de todas as assembléias gerais de acionistas realizadas nos doze meses que antecederem ao pedido de registro;

1.9) Fac-símile dos certificados de todos os tipos de valores mobiliários emitidos pela companhia, ou, se for o caso, cópia do contrato mantido com instituição financeira para a execução de serviço de controle de ações escriturais;

1.10) Estudo de viabilidade econômico-financeira do projeto, quando se tratar de companhia em fase pré-operacional;

1.11) Formulário de Informações Anuais (IAN); (arts. 22 e 23 da Inst. CVM nº 202), impresso em duas vias;

1.12).Formulário de Informações Trimestrais (ITR), para todos os trimestres já transcorridos no exercício social em curso, desde que transcorridos mais de quarenta e cinco dias do encerramento de cada trimestre, acompanhado de Relatório sobre Revisão Especial, emitido por auditor independente, impresso em duas vias;

1.13) Formulário de Demonstrações Financeiras Padronizadas – DFP, impresso em duas vias;

1.14) Apresentação de projeções do desempenho econômico-financeiro da empresa (opcional).

ATUALIZAÇÃO DO REGISTRO

A partir da concessão do registro, a empresa fica obrigada a efetuar sua atualização através da apresentação sistemática – 1) das demonstrações financeiras, 2) das informações anuais e 3) das informações trimestrais, também, deverá comunicar prontamente à CVM quaisquer informações relevantes a respeito dos seus negócios, nos termos dos artigos 13 a 17 da Instrução CVM Nº 202/93.

2. Registro De Emissão

Se, além de abrir seu capital, a empresa desejar captar recursos através da distribuição pública de valores mobiliários, deverá cumprir os seguintes requisitos:

  • autorização do Conselho de Administração, se for o caso de lançamento de ações relativas ao capital autorizado, dentro das funções estatutárias do Conselho;
  • autorização da Assembléia Geral, que designará o agente fiduciário, se for o caso do lançamento de debêntures;
  • autorização da Assembléia Geral de acionistas para aumentar o capital social;
  • contratação de instituição financeira para a coordenação do lançamento dos títulos, onde se destaca o tipo de operação (firme, com aquisição das sobras, com melhores esforços) e seus custos;
  • plano de marketing do lançamento, se for o caso;
  • formação do consórcio de distribuição dos títulos; e
  • seleção e contratação do agente fiduciário, para o caso de debêntures.

ESTRUTURAÇÃO DA OPERAÇÃO

Fornecimento de informações econômico-financeiras, administrativas e operacionais da empresa para a instituição coordenadora do lançamento, objetivando a preparação do prospecto do lançamento, a ser submetido à CVM, o qual deve conter informações sobre a empresa de modo que os potenciais investidores possam avaliá-la.

Análise das condições da empresa e do mercado de capitais, juntamente com a instituição coordenadora, visando definir:

  • a melhor forma de operação a ser realizada;
  • o volume de recursos envolvido;
  • o público alvo;
  • os procedimentos de distribuição;
  • as garantias a serem oferecidas aos investidores; e, se for o caso,
  • a remuneração que será atribuída aos títulos;
  • o plano de repactuação ou de conversão em ações, no caso de debêntures;
  • o tipo e o preço do título; e
  • os custos de todo o processo e sua análise de viabilidade.

REGISTRO DA EMISSÃO NA CVM – DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA

O pedido de registro na CVM deverá ser instruído com os seguintes documentos:

  • atas da Assembléia Geral e da reunião do Conselho de Administração que deliberaram sobre a emissão, informando a data e os jornais de suas publicações, com cópia dos anúncios de suas convocações;
  • requerimento à CVM, assinado pelo Diretor de Relações com Investidores, descrevendo as principais características da operação;
  • lista das instituições financeiras participantes do consórcio de distribuição;
  • contrato de distribuição assinado com a instituição coordenadora;
  • contrato de subdistribuição;
  • justificativa do preço de emissão;
  • informação sobre o destino dos recursos. Dependendo do volume de recursos a serem captados, a critério da CVM, poderá ser solicitada a análise de viabilidade do projeto no qual os recursos serão aplicados;
  • escritura pública de emissão das debêntures, registrada em cartório de registro de imóveis da sede da empresa, indicando o agente fiduciário e a declaração de não impedimento do mesmo;
  • escritura pública de constituição de garantia imobiliária, registrada em cartório de registro de imóveis da cidade de localização do imóvel dado em garantia, se for o caso;
  • três vias do prospecto da distribuição, indicando a quantidade a ser impressa e os locais onde estarão disponíveis;
  • minuta dos anúncios de início e encerramento da distribuição;
  • autorização da CETIP, no caso da negociação das debêntures no Sistema Nacional de Debêntures;
  • modelo de certificado/cautela (debêntures);
  • contrato com a instituição financeira responsável pelo controle das ações escriturais, se for o caso; e
  • cópia do boletim de subscrição.

Legislação relativa ao registro, funcionamento, normas contábeis específicas, auditores e auditoria independente, lançamento de valores mobiliários e divulgação de informações das empresas de capital aberto.

REGISTRO E FUNCIONAMENTO

LEI nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976: dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários

LEI nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976: dispõe sobre as Sociedades por Ações

INSTRUÇÃO CVM nº 10, de 14 de fevereiro de 1980: dispõe sobre a aquisição por companhias abertas de ações de sua própria emissão, para cancelamento ou permanência em tesouraria, e respectiva alienação.

INSTRUÇÃO CVM nº 88, de 03 de novembro de 1988: dispõe sobre distribuições secundárias de valores mobiliários e venda de sobras de ações não subscritas durante o prazo de preferência na subscrição particular de companhia aberta, sujeitas a prévio registro na CVM.

INSTRUÇÃO CVM nº 165, de 11 de dezembro de 1991: fixa escala, reduzindo, em função do capital social, o percentual mínimo de participação acionária necessário ao requerimento do processo de voto múltiplo para a eleição dos membros do Conselho de Administração de companhia aberta.

INSTRUÇÃO CVM nº 202, de 6 de dezembro de 1993: dispõe sobre o registro de companhia para negociação de seus valores mobiliários em Bolsa de Valores ou no Mercado de Balcão, consolidando as Instruções CVM n os 60, de 14 de janeiro; 73, de 22 de dezembro, ambas de 1987; 118, de 7 de maio, e 127, de 26 de julho, ambas de 1990, revoga as instruções que menciona.

INSTRUÇÃO CVM nº 229, de 16 de janeiro de 1995: dispõe sobre o cancelamento do registro de que trata o artigo 21 da Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976 e revoga a INSTRUÇÃO CVM nº 185, de 27 de fevereiro de 1992.

INSTRUÇÃO CVM nº 245, de 1º de março de 1996, dispõe sobre as informações a serem prestadas pelas companhias abertas com registro para negociação de seus títulos e valores mobiliários em bolsa de valores ou mercado de balcão organizado, e cujo faturamento bruto anual consolidado seja inferior a R$ 100.000.000,00 (cem milhões de reais).

NORMAS CONTÁBEIS E PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE

INSTRUÇÃO CVM nº 10, de 14 de fevereiro de 1980: dispõe sobre a aquisição por companhias abertas de ações de sua própria emissão, para cancelamento ou permanência em tesouraria, e respectiva alienação

INSTRUÇÃO CVM nº 58, de 17 de dezembro de 1986: dispõe sobre a contabilização das companhias abertas que exploram a atividade de arrendamento mercantil.

INSTRUÇÃO CVM nº 59, de 22 de dezembro de 1986: dispõe sobre a obrigatoriedade de elaboração e publicação da demonstração das mutações do patrimônio líquido pelas companhias abertas.

INSTRUÇÃO CVM nº 170, de 03 de janeiro de 1992 : estabelece critérios contábeis a serem adotados no registro da reserva de reavaliação e na escrituração do resultado da equivalência patrimonial de investimentos no exterior.

INSTRUÇÃO CVM nº 189, de 25 de junho de 1992: estipula o tratamento contábil a ser dado à reserva de reavaliação, inclusive impostos e contribuições incidentes, em consonância com os efeitos da LEI nº 8.200, de 28 de junho de 1991.

INSTRUÇÃO CVM nº 197, de 19 de janeiro de 1993: dispõe sobre a aplicação dos artigos 1º e 2º da INSTRUÇÃO CVM nº 189, de 25 de junho de 1992 e revoga a Instrução CVM nº 192, de 15 de julho de 1992.

INSTRUÇÃO CVM nº 232, de 10 de fevereiro de 1995: dispõe sobre publicações adicionais às ordenadas pela LEI nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976.

INSTRUÇÃO CVM nº 235, de 23 de março de 1995: dispõe sobre a divulgação, em nota explicativa, do valor de mercado dos instrumentos financeiros, reconhecidos ou não nas demonstrações financeiras de suas companhias.

INSTRUÇÃO CVM nº 247, de 27 de março de 1996: dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos para elaboração e divulgação das demonstrações contábeis consolidadas, para o pleno atendimento aos Princípios Fundamentais de Contabilidade, altera e consolida as Instruções CVM nº 01, de 27 de abril de 1978, nº 15, de 03 de novembro de 1980, nº 30, de 17 de janeiro de 1984, e o artigo 2º da Instrução CVM nº 170, de 03 de janeiro de 1992, e dá outras providências.

INSTRUÇÃO CVM nº 248, de 29 de março de 1996: dispõe sobre a elaboração e a divulgação de demonstrações financeiras e informações trimestrais adaptadas às disposições contidas nos artigos 4º e 5º da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995.

AUDITORIA E AUDITORES INDEPENDENTES

INSTRUÇÃO CVM nº 216, de 29 de junho de 1994 : dispõe sobre o registro e o exercício da atividade de auditoria independente no âmbito do mercado de valores mobiliários, define os deveres e responsabilidades dos auditores independentes, bem como os casos em que o registro pode ser recusado, suspenso ou cancelado e revoga a Instrução CVM nº 204, de 7 de dezembro de 1993.

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES

INSTRUÇÃO CVM nº 31, de 8 de fevereiro de 1984: dispõe acerca da divulgação e do uso de informações sobre ato ou fato relevante relativo às companhias abertas.

INSTRUÇÃO CVM nº 69, de 08 de setembro de 1987: disciplina a divulgação de informações na aquisição de ações com direito a voto de companhia aberta.

INSTRUÇÃO CVM Nº 207, de 1º de fevereiro de 1994: dispõe sobre publicações adicionais às ordenadas pela LEI Nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976.

LANÇAMENTO DE VALORES MOBILIÁRIOS PARA SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

DECISÃO CONJUNTA CVM/BACEN nº 3/96: fixa normas para a remuneração das debêntures.

INSTRUÇÃO CVM nº 5, de 26 de dezembro de 1978: dispõe sobre a admissão à negociação de valores mobiliários emitidos pelas companhias abertas nas Bolsas de Valores.

INSTRUÇÃO CVM nº 13, de 30 de setembro de 1980: dispõe acerca de aumento de capital por subscrição de ações e registro de distribuição de ações mediante subscrição pública, de que tratam os artigos 82 e 170, da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976

INSTRUÇÃO CVM nº 134, de 01 de novembro de 1990: dispõe acerca da emissão de NOTA PROMISSÓRIA para distribuição pública.

INSTRUÇÃO CVM nº 143, de 18 de abril de 1991: dispõe sobre a corretagem de Debêntures e Nota Promissória de que trata a Instrução CVM nº 134, de 01.11.90, negociadas em Bolsas de Valores.

INSTRUÇÃO CVM nº 155, de 07 de agosto de 1991: dispõe sobre a simplificação dos requisitos exigidos para obtenção de registro de distribuição de notas promissórias e dispensa do registro de companhia aberta.

INSTRUÇÃO CVM nº 183, de 13 de fevereiro de 1992: altera o valor nominal unitário mínimo para emissão de Notas Promissórias previsto na Instrução CVM nº 155, de 07 de agosto de 1991.

INSTRUÇÃO CVM nº 195, de 05 de agosto de 1992: altera o valor nominal unitário mínimo para emissão de Notas Promissórias previsto na INSTRUÇÃO CVM nº 155, de 07 de agosto de 1991.

INSTRUÇÃO CVM nº 223, de 10 de novembro de 1994: dispõe sobre a emissão de opções não padronizadas (” Warrants” ).

TAXA DE FISCALIZAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS

LEI nº 7.940, de 20 de dezembro de 1989: institui a Taxa de Fiscalização dos mercados de títulos e valores mobiliários e dá outras providências.

INSTRUÇÃO CVM nº 110, de 28 de dezembro de 1989: dispõe sobre o recolhimento da Taxa de Fiscalização dos Mercados de Títulos e Valores Mobiliários instituída pela Lei nº 7.940, de 20 de dezembro de 1989.

INSTRUÇÃO CVM nº 112, de 11 de janeiro de 1990: dispõe sobre o recolhimento da Taxa de Fiscalização de Títulos e Valores Mobiliários instituída pela Lei nº 7.940, de 20 de dezembro de 1989, alterando o disposto no artigo 2º da Instrução CVM nº 110, de 28 de dezembro de 1989.

INSTRUÇÃO CVM nº 128, de 26 de julho de 1990: altera o Anexo à Instrução CVM nº 110, de 28 de dezembro de 1989, que estabelece orientações para preenchimento do DARF relativo ao recolhimento da Taxa de Fiscalização dos Mercados de Títulos e Valores Mobiliários, Instituída pela Lei nº 7.940, de 20 de dezembro de 1989.

INSTRUÇÃO CVM nº 219, de 15 de setembro de 1994: altera o Anexo à Instrução CVM nº 128, de 26 de julho de 1990, que estabelece orientações para preenchimento do DARF relativo ao recolhimento da Taxa de Fiscalização dos Mercados de Títulos e Valores Mobiliários, instituída pela Lei nº 7.940, de 20 de dezembro de 1989.

Melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • BINOMO
    BINOMO

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FINMAX
    FINMAX

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Like this post? Please share to your friends:
Investimento em opções binárias
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: