Quais podem ser os resultados do acordo Brexit quão ruim é a UE e o Reino Unido

Melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • BINOMO
    BINOMO

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FINMAX
    FINMAX

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Последствия Brexit. Что получит Британия и ЕС в итоге?

Brexit news 23 июня 2020 года всколыхнуло все мировые рынки. Я прекрасно помню тот знаменитый обвал британского фунта, который произошел из-за неожиданной для всех политиков, аналитиков и экспертов – да всех участников рынка референдум о членстве Британии в Европейском. Он же Брекзит по английски Brexit.

В результате голосования 51,9% участников решили, что не хотят больше принадлежать Евросоюзу. А значит, Британия должна стать самостоятельным государством.

После этого глобальные последствия не ограничились обвалом национальной валюты и фондовых рынков. Действующий на тот момент премьер-министр Дэвид Кэмерон сразу подал в отставку, и на смену ему пришла лидер Консервативной партии Тереза Мэй. После того, как она официально отправила в Брюссель письмо о том, что страна выходит из ЕС, и начался официально отсчет, который должен был продлиться 2 года. Но естественно, процесс затягивается, а все из-за трудностей, с которым предстоит сталкиваться с обеими сторонами.

После нескольких отсрочек, Борис Джонсон уже успел сменить Терезу Мэй, которая уже наскучила своим не всегда адекватным поведением. И он обещает, что последняя отсрочка, которая пока что длится до 31 октября 2020 года, будет действительно последней. И он поставит точку!

Чего же добиваются обе стороны

Великобритания в первую очередь хочет сохранить торговые отношения с Евросоюзом, иначе страна просто войдет в сильный кризис. Ну а с другом стороны, выйти из-под юрисдикции Европейского суда и стать самостоятельной страной, не зависящей от чужого мнения, которое только навязывает его в ущерб самой стране, получая для себя выгоду.

Европейский Союз тоже не хочет терять Британию как торгового партнера. Но с другой стороны, он хочет сохранить баланс между всеми остальными странами. А то получится, что Великобритания вырвется вперед после окончательного завершения сделки по Brexit и заключит более выгодные соглашения с остальными странами ЕС.

К чему готовиться: какие могут быть варианты и последствия сделки по Brexit

За последние почти 40 лет доля Евросоюза в торговом обороте Британии выросла практически в два раза с 33% до 60%. И это гарантированно нанесет сильный удар по экономике Великобритании, после чего придется буквально вставать на ноги. Потери после разрыва отношений с ЕС не смогут возместить даже те соглашения о свободной торговле между другими странами, которые будут заключены в будущем.

Но даже несмотря на такие печальные последствия, Великобритания нисколько не передумала отказываться от сделки по Brexit, и планирует довести ее до конца с максимальной выгодой для себя. Примерно 6,4 миллиардов фунтов стерлингов было выделено на эту сделку. И это дает свои плоды.

Сейчас отсеклись многие прежние варианты развития событий, и остались только два главных:

Главное различие между ними заключаются в том, как будут складываться отношения между двумя наиважнейшими институтами, которые являются своего рода фундаментом европейской экономики – Таможенный союз и Единый рынок.

Melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • BINOMO
    BINOMO

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FINMAX
    FINMAX

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Прежде чем двигаться дальше, вкратце разъясню, что это такое простыми словами.

Таможенный союз как бы объединяет страны ЕС между собой, стирая барьеры между ними и призывая действовать как единое целое. Но здесь есть и обратная сторона медали. Страны не могут делать то, что сами захотят в условиях выгоды для себя, то есть заключать какие-либо сделки и договоренности на стороне.

Единый рынок обеспечивает свободное перемещение товаров и услуг между странами членами ЕС. Ведь по сути – это одна большая страна, поэтому и преград никаких не должно быть.

Ну и из расчета всего этого поясню разницу между Жестким и Мягким Брекзитом.

  • Жесткий Brexit подразумевает под собой одновременно и выход из Таможенного союза ЕС, а также из единого рынка. Также подразумевается замена торговых соглашений о свободной торговле. Сейчас чем дольше процесс выхода затягивается, тем больше появляется сторонников того, чтоб поскорее уже выйти без каких-либо договоренностей. Но страна не может так резко и быстро “развестись” со своим самым крупным торговым партнером. Иначе наступит не менее жесткий кризис.
  • Мягкий Brexit уже не так жесток. Его сторонники все же хотят сохранить ЕС в качестве торгового партнера. Но только здесь есть 3 подгруппы среди сторонников: первая хочет членства в Таможенном Союзе, вторая в Едином Рынке, ну а третья иметь доступ ко всему. Но это логично, что ЕС в свою очередь за такое право может потребовать совсем не выгодных условий для Британии.

Ну а пока ведутся активные споры, в ходе которых сменилось уже 2 премьер-министра, сделка гарантированно скажется на жителях страны. Только в разных слоях населения будет разный эффект от последствий Brexit.

Тем более, из-за такого затяжного исхода растет количество сторонников полной отмены Брекзита. Они требуют повторного референдума, в результате чего сделка Brexit может быть и вовсе аннулирована.

А есть ли еще варианты развития событий?

Полное отсутствие каких-либо соглашений между Великобританией и Евросоюзом. И это самый худший вариант, который только можно представить. Британия теперь будет торговать только в рамках ВТО. Да, страна сможет сама устанавливать свои тарифы и пошлины, какие ей только вздумается. Но это отразится в показателях ВВП, которые могут упасть на 4,9%.

Евросоюз тоже пострадает в этом плане, но только гораздо меньше – 0,7%.

Поэтому британской стороне нужно обязательно достигнуть хоть каких-нибудь договоренностей. В этом случае потери ВВП могут снизиться до 3%.

Но почему такой вариант практически нереальный?

При таком раскладе, когда не будут достигнуты абсолютно никакие соглашения, между сторонами будут порваны все торговые механизмы.

К чему это приведет? К полному хаосу и катастрофе:

  • людям станет проблемно выезжать из страны;
  • возникнет нехватка в продуктах, лекарствах и прочее;
  • британский фунт потеряет в стоимости на мировом валютном рынке еще больше;
  • сбои в поездках между странами.

И это только цветочки. Из-за сбоев и трудностей в перевозках многие лекарства будут доставляться с испорченным сроком годности. А их и так нехватка. Что уж говорить о продуктах питания, которые просто будут гнить в пути.

К тому же британские эксперты из NIESR (Национальный Институт Экономических и Социальных Исследований) посчитали, что после Brexit ВВП Британии через 10 лет окажется ниже на 3,5%, чем если бы страна осталась в составе ЕС.

Поэтому правительство хочет избежать такого варианта всеми усилиями! Что ж, посмотрим, чего сможет добиться новый премьер министр Борис Джонсон, который обещает светлое будущее.

‘Brexit’ vence e Reino Unido deixará a União Europeia

51,9% dos britânicos votaram a favor da saída do bloco, enquanto que 48,1% optaram pela permanência

A maioria dos cidadãos do Reino Unido votou por abandonar a União Europeia no histórico referendo celebrado nesta quinta-feira. O Brexit recebeu 51,9% dos votos, enquanto 48,1% votaram pela permanência no bloco. A decisão dos britânicos desencadeia uma histórica queda da libra esterlina e das bolsas europeias, e coloca a União Europeia diante de um desafio sem precedentes e o Reino Unido em um território ainda desconhecido. Inglaterra e Gales apoiaram majoritariamente o Brexit (saída da UE), enquanto Londres, Escócia e Irlanda do Norte optaram pela permanência. Diante da crise iniciada no país, o primeiro-ministro, David Cameron, anunciou que deixará o seu cargo depois do congresso de seu partido em outubro.

A mensagem dos riscos econômicos do rompimento, repetido à exaustão pelo establishment político, não encontrou eco junto aos eleitores britânicos, especialmente no norte da Inglaterra. A histórica decisão, com uma participação extraordinária de 71,8% (30 milhões de pessoas), fere enormemente o projeto europeu e infla o movimento contra o establishment político que há anos cresce no continente. Lá se vai a segunda maior economia do bloco, ao qual os britânicos pertencem há 43 anos, e que agora mergulha num desafio sem precedentes. A tarefa, para o lado britânico, será assumida por outro chefe de Governo, já que David Cameron anunciou sua futura renúncia numa entrevista coletiva concedida pouco depois das 8h (4h em Brasília) na sua residência oficial da Downing Street.

Mais informações

A negociação com a UE, disse Cameron em um breve pronunciamento ao lado da sua mulher, Samantha, ficará a cargo de outro “capitão”. Esse novo primeiro-ministro, observou o líder dos conservadores, terá de se valer do artigo 50 do tratado da UE, que estipula as condições para deixar o clube. Nigel Farage, líder do partido independentista UKIP e um dos pais do referendo do Brexit, manifestou-se logo cedo sobre a renúncia de Cameron. Com o escrutínio resolvido, Farage – que durante a madrugada já havia declarado o 23 de junho como o “dia da independência” britânica – pediu ao Palácio de Westminster (sede do Parlamento) que substitua Cameron por um Executivo que seja partidário da desfiliação.

Outro líder envolvido na campanha do referendo, o trabalhista Jeremy Corbyn, principal referência da oposição e partidário da permanência, também falou à imprensa, mas evitou pedir a demissão de Cameron, de quem cobrou prioridade nas tarefas de “estabilizar a libra e assegurar os investimentos” após o referendo. Os primeiros efeitos do chamado Brexit apareceram justamente nos mercados. O valor da libra esterlina – que subia desde segunda-feira, refletindo as pesquisas que indicavam a permanência na UE – desabou ao seu menor nível desde 1985. As perdas acionárias se estenderam por toda a Europa, depois da forte queda registrada nos pregões asiáticos. Na Espanha, o índice de referência registrava no final da manhã (hora local) um retrocesso de aproximadamente 7%.

O primeiro sinal de que o rompimento com a UE venceria veio com a apuração de Newcastle, dando uma vitória muito apertada ao remain. Depois o leave ganhou em Sunderland, tradicional reduto trabalhista. Os primeiros resultados em Londres devolveram a esperança aos europeístas, até que Nuneaton, prototípica cidade da Inglaterra média, deu 66% para a saída. Na Escócia, venceram os pró-UE, embora com menos participação do que se esperava. Bristol apoiou claramente a permanência no bloco.

O resultado, com 51,9% pelo desligamento e 48,1% pelo status quo, mostra um país dividido, que terá muitas dificuldades para se recuperar após o plebiscito. Além disso, deixa uma situação complicada na Escócia, que votou majoritariamente pela permanência (63%). A líder do Partido Nacionalista Escocês, Nicola Sturgeon, já havia advertido que, caso o rompimento com a UE vencesse, os escoceses poderiam convocar um novo referendo sobre a sua independência do Reino Unido, como já ocorreu há dois anos, com apertada vitória pela integração. Mas o momento para isso agora é muito mais complexo, a situação econômica está pior e o apoio à independência decaiu. Ainda assim, o desejo escocês de se manter na UE – da qual estão sendo expulsos pelos votos dos vizinhos ingleses – pode alterar o quadro.

A decisão também abre um horizonte desconhecido para a ilha da Irlanda, onde o Reino Unido faz fronteira com outro país da UE, a República da Irlanda. A Irlanda do Norte votou majoritariamente pela permanência, posição que teve o apoio do primeiro-ministro do vizinho do sul, Enda Kenny. Com o Brexit, a Irlanda ficará sem uma fronteira terrestre com a União Europeia.

Nos distritos ingleses de Hastings e Lancaster, que costumam servir de termômetro para prever resultados eleitorais, a saída britânica da UE também venceu, de forma apertada. Os resultados avançavam mais lentamente do que se esperava, mas num bom ritmo para os partidários do leave. Mas em alguns momentos, os dois lados disputavam apenas 80.000 votos. Quando alguns redutos europeístas foram totalizados – como Oxford e Cambridge –, o voto pró-UE chegou a estar na frente. O mesmo aconteceu com Aberdeen, segunda cidade mais pró-UE, onde essa opção teve 61% dos votos.

Ainda falta que a autoridade eleitoral declare oficialmente o resultado do referendo do Brexit, o que está previsto para acontecer ainda nesta manhã de sexta-feira. Então, o Reino Unido começará a trilhar um longo caminho, para o qual não existe mapa.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Brexit

Brexit é o processo de saída do Reino Unido da União Europeia iniciado em 2020 e com previsão para terminar em 2020.

Em 31 de janeiro de 2020, o Reino Unido deixou a UE, tornando-se o primeiro país a fazê-lo.

Após esta data, haverá um período de onze meses para que vários tratados e acordo sejam negociados entre o Reino Unido e a União Europeia.

Significado de Brexit

A palavra Brexit vem da junção das palavras inglesas “Britain” (Bretanha) e “Exit” (saída).

Com o Brexit, o Reino Unido deixa de fazer parte da União Europeia

A expressão é usada para caracterizar o processo de desligamento do Reino Unido da União Europeia iniciado com o referendo de 23 de junho de 2020. Nesta data, os britânicos escolheram deixar o bloco econômico e político europeu.

Saída do Reino Unido da União Europeia

O ano de 2020 foi o mais complicado, pois as diferenças entre os políticos britânicos se tornam mais evidentes, pois era preciso que o plano de saída da União Europeia fosse aprovado pelo Parlamento britânico.

Por outro lado, o Parlamento britânico garantiu em 13 de março de 2020, que o Reino Unido não sairia sem acordo. Esta era uma proposta defendida por muitos membros do próprio partido de Theresa May.

No entanto, em 12 de março de 2020 e, posteriormente, no dia 25 do mesmo mês, o Parlamento britânico rejeitou o plano apresentado pela então primeira-ministra Theresa May para se retirar da União Europeia.

Sem conseguir consenso no Parlamento, Theresa May teve que pedir uma nova prorrogação à União Europeia. Assim, a data prevista para a saída do Reino Unido seria 31 de outubro de 2020.

Com sua posição enfraquecida, May demitiu-se do cargo. A lei britânica não previa a convocação de novas eleições e sim uma substituição dentro do próprio partido cujo escolhido foi Boris Johnson.

Boris Johnson e o Brexit

O novo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, é um conhecido defensor de um “brexit duro”, ou seja: retirar o Reino Unido da União Europeia sem fazer qualquer tipo de acordo.

A fim de pressionar os deputados, Johnson pediu a Rainha Elizabeth II que adiasse a abertura oficial do Parlamento, que acontece em setembro, para 14 de outubro. A proposta foi aceita pela soberana e milhares protestaram nas ruas contra o “fechamento” do parlamento britânico, mas o premiê não voltou atrás.

O objetivo de Boris Johnson era impedir a articulação da oposição.

No entanto, os primeiros debates realizados pelo primeiro-ministro no Parlamento se revelaram um fracasso. O Partido Conservador perdeu um dos seus deputados e outros 21 parlamentares foram suspensos por indisciplina.

Além disso, o Parlamento rejeitou, mais uma vez, o projeto de um Brexit sem acordo.

A fim de conseguir mais respaldo para sua ideia, Boris Johnson dissolveu o Parlamento e convocou novas eleições gerais. O resultado foi uma esmagadora vitória para os conservadores que conquistaram a maioria absoluta dos deputados e assim puderam seguir com as negociações do Brexit.

Aprovação do acordo do Brexit

Após intensas negociações com os 27 países da União Europeia, o Reino Unido conseguiu um acordo para a saída desse bloco econômico, em 16 de outubro de 2020.

Desta vez, estão garantidas a livre circulação de pessoas e mercadorias entre a fronteira da República da Irlanda e da Irlanda do Norte. No entanto, o novo acordo prevê o fim do status especial para o Reino Unido e o torna um rival econômico.

O projeto foi aprovado no Parlamento britânico no mesmo mês. Porém, os parlamentares não se recusaram a debater o texto em apenas dois dias e obrigaram ao primeiro-ministro pedir um adiamento de três meses à União Europeia.

Como consequência, Johnson teve que concordar e, desta vez, a data para o Brexit será 31 de janeiro de 2020.

Antecedentes do Brexit

A União Europeia (UE) foi criada com o objetivo de manter a paz entre os países do continente europeu.

O embrião foi a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA), nascida em 1952. A CECA unia os ex-adversários da Segunda Guerra Mundial: França, Alemanha, Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo.

Mais tarde, esta comunidade foi ampliada num movimento que criou a Comunidade Econômica Europeia (CEE), em 1957.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan (à esq.) e o ex-primeiro-ministro David Cameron fazem campanha pela permanência do Reino Unido na União Europeia

O Reino Unido, porém, sempre se manteve à margem da CEE e só aceitou fazer parte do clube em 1973. Mesmo assim, dois anos depois, convocaram um referendo para que a população decidisse se queriam ou não continuar. Naquela época, ganhou o “sim”.

Desta maneira, o Reino Unido continuou a fazer parte da UE, mas não participou dos dois maiores projetos europeus:

  • a criação de uma moeda única, o euro;
  • o Espaço Schengen, que permite a livre circulação de pessoas.

Referendo sobre o Brexit

A campanha do Brexit tem origem no governo do primeiro-ministro conservador David Cameron.

Para disputar a reeleição, Cameron se aliou ao partido nacionalista, Partido da Independência do Reino Unido (UKIP, na sigla em inglês).

Em troca do seu apoio, este partido exigiu a convocação de um referendo, onde os eleitores pudessem escolher entre seguir ou sair da União Europeia.

O UKIP argumentava que a União Europeia retirava a soberania do Reino Unido em assuntos econômicos e de imigração. Por isso, pedia que fosse feito uma consulta à população sobre a permanência neste bloco econômico.

O referendo foi marcado para 23 de junho 2020: 48,1% votou não à saída da UE, mas 51,9% votou sim.

Consequências do Brexit

As consequências do Brexit são difíceis de prever, pois se trata de um processo inédito. Por enquanto, observamos impactos políticos, como por exemplo:

  • Foi criado no Reino Unido, o Ministério da Saída da União Europeia que emprega pelo menos 300 pessoas para tratar exclusivamente do assunto;
  • David Cameron renunciou ao cargo de primeiro-ministro e após discussões internas no Partido Conservador, foi substituído por Theresa May, que assegurou que não voltaria atrás no processo do Brexit;
  • Diante dos impasses para chegar a uma acordo, a primeira-ministra Theresa May renunciou ao cargo e viu seu maior opositor, Boris Johnson, ser investido como premiê.

Consequências econômicas para o Reino Unido

  • No dia seguinte ao referendo, a libra esterlina registrou uma forte queda, assim como o dólar australiano e o dólar neozelandês;
  • A bolsa e o mercado mobiliário sofreram uma forte queda naquela semana. Por isso, o governo britânico abaixou as taxas de juros e fez empréstimos bancários para conter uma possível perda de capitais;
  • A libra esterlina tem perdido valor frente ao dólar e ao euro;
  • Várias empresas já mudaram suas sedes para países como Holanda e França.

Consequências econômicas do Brexit para a União Europeia

  • A União Europeia perde a contribuição monetária do Reino Unido;
  • A UE terá que renegociar todos os tratados comerciais com o Reino Unido;
  • Medo que o Brexit inspire outros países a fazer o mesmo;
  • Preocupação com a situação da Irlanda do Norte, que faz parte da UE, mas tem fronteiras com o Reino Unido.

Calendário para o Brexit

O artigo 50, do Tratado de Lisboa, estipula que a negociação pode durar 2 anos. Inicialmente, o processo deveria estar concluído em março 2020.

Em dezembro de 2020, a primeira-ministra britânica Theresa May aceitou pagar 45 bilhões de euros para deixar a União Europeia.

Em março de 2020 foi anunciado que haverá um período de transição de dois anos quando o Reino Unido deixar a União Europeia definitivamente em 2020.

Em 24 de novembro, os 27 países da União Europeia concordaram com os termos de saída feitos pela Grã-Bretanha. Este deverá ser ratificado pelo parlamento britânico.

Assim, o Reino Unido sairia oficialmente da União Europeia em 29 de março de 2020, mas o processo foi adiado para 12 de abril de 2020.

Sem aprovação do Parlamento, o Brexit foi novamente fixado para 31 de janeiro de 2020, com um período de adaptação de um ano.

Negociações para o Brexit

As negociações entre o Reino Unido e a União Europeia vão acontecendo pouco a pouco. As propostas que causaram mais controvérsias diziam a respeito sobre o modelo alfandegário e a fronteira da Irlanda.

Vejamos como esse impasse foi solucionado:

Modelo alfandegário

Inicialmente, pretendia-se fazer uma zona de livre comércio entre o Reino Unido e a UE. Este plano, porém, foi rechaçado pelos partidários mais radicais do Brexit que alegam que isto não traria de volta a soberania ao Reino Unido.

Assim, o Reino Unido não terá nenhum privilégio ao comercializar com o bloco europeu e receberá o mesmo tratamento que os demais países do mundo.

Irlanda do Norte

A Irlanda do Norte faz fronteira com a República da Irlanda, que é membro da União Europeia. Com o Brexit, os dois países voltariam a ter postos de controle, o que dificultaria a circulação de pessoas e mercadorias.

Em outubro de 2020, Boris Johnson apresentou um proposta que agradou o bloco europeu. Este território formará parte da União Aduaneira do Reino Unido, mas deverá respeitar as regras do Mercado Comum Europeu.

Discordâncias no Governo Britânico pelo Brexit

Os choques entre os partidários de uma ruptura total com a União Europeia e um divórcio amigável, como desejava Theresa May, expuseram as diferenças existentes no governo britânico.

Boris Johnson e Theresa May tinham sérias divergências quanto a forma de fazer o Brexit

Em 8 de julho de 2020, após um fim de semana de tensas negociações, o ministro responsável pelo Brexit, David Davis, pediu demissão ao discordar sobre a manutenção da união aduaneira entre o Reino Unido e a UE, após o Brexit.

Dois dias depois, foi a vez do então Ministro de Relações Exteriores, Boris Johnson, pedir demissão do seu cargo pelo mesmo motivo. Boris Johnson era um dos principais críticos da política de May.

Proposta do Governo Britânico para o Brexit

Em 12 de julho de 2020, o governo britânico apresentou sua proposta de saída da União Europeia. O documento sugere a formação de uma zona de livre de comércio de bens com a União Europeia. Além disso, propõe:

  • O controle de impostos alfandegários e sua política comercial;
  • A aprovação, pelo parlamento britânico, de leis e normas europeias que fossem entrar em vigor no Reino Unido;
  • A extinção da livre circulação de pessoas, mas seria criada uma nova legislação para aqueles que buscam trabalho ou quisessem estudar no Reino Unido.

Em 14 de novembro de 2020, Theresa May apresentou a proposta ao Parlamento britânico que contempla suas ideias de Brexit. Por discordar com os termos do documento, o ministro para o Brexit, Dominic Raab, demitiu-se do governo.

Alguns pontos desse acordo são:

Cidadãos europeus

Quem possui nacionalidade de algum país da União Europeia e entrou no Reino Unido antes de 29 de março de 2020 poderá continuar no país com todos seus direitos respeitados.

Igualmente, o Reino Unido se comprometeu a respeitar também aqueles que fixem residência ali durante o período de transição.

Por sua parte, os britânicos perderão o direito de andar livremente e fixar residência nos países da União Europeia.

Orçamento

O Reino Unido continuará aportando contribuições até o ano de 2020 ao orçamento europeu. No entanto, para o quinquênio de 2021-2027, os britânicos já não devem fazer mais aportações econômicas.

Continuarão a pagar as despesas e as aposentadorias dos funcionários britânicos na UE, algo que deve se alongar até 2064.

Gibraltar

A Grã-Bretanha possui um território que faz fronteira com a Espanha: Gibraltar. Pressionada pela Espanha, a União Europeia garantiu que qualquer mudança no estatuto gibraltenho terá que contar com a aprovação espanhola.

Esta ideia foi rejeitada três vezes pelo Parlamento britânico.

Brexit: sim ou não?

A ex-primeira-ministra Theresa May reafirmava categoricamente que o governo não contemplava a possibilidade do Brexit não acontecer. Igualmente, reiterava que não haveria outro referendo sobre esta questão.

O Tribunal de Justiça da União Europeia sentenciou em 9 de dezembro de 2020 que o Reino Unido poderia sair da União Europeia sem um acordo com os 27 sócios europeus.

Novamente, os parlamentários britânicos votaram sobre o Brexit em 12 e 29 de março de 2020 e, mais uma vez, a proposta de Theresa May foi rechaçada. Diante desta derrota, May demitiu-se.

Nas ruas, tanto os partidários da saída quanto da permanência, organizam manifestações a fim de pressionar o governo.

Saiba mais sobre alguns temas relacionados:

Melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • BINOMO
    BINOMO

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FINMAX
    FINMAX

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Like this post? Please share to your friends:
Investimento em opções binárias
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: